Coluna do Anderson J. SantosDicasVariedades

O condomínio sustentável

Lixo é qualquer material sem valor ou utilidade que se “joga fora” ou ainda, tudo que se retira de um local para considerá-lo limpo! Nossa sociedade tem vivido por longo tempo com esse conceito. As­sim, consumimos algo e o que sobra “jogamos fora”. Tal con­ceito nos impede de enxergar que “jogamos fora” um material que ainda possui valor comercial se for manejado adequadamente.

Assim surge a sustentabili­dade ambiental que é o conjunto de atos praticados pela socieda­de presente na busca de qualida­de de vida, sem, contudo, com­prometer a das gerações futuras. Adotar boas práticas de susten­tabilidade não é mais moda e sim uma premente necessidade que inclui o uso racional dos recursos naturais renováveis, re­dução/reuso/reciclagem dos re­síduos sólidos urbanos, coleta e destinação adequada do óleo de fritura.

A exemplo, bons resultados foram obtidos no uso racional da água em diversos edifícios de Brasília, através do procedimen­to de individualização da leitura e cobrança individualizada da água. No CCS, prédio comer­cial, tal atitude gerou redução de 30% no consumo em volu­me. Aliada a uma campanha in­formativa e busca sistemática de vazamentos, essa redução subiu para 55% no consumo. Como consequência foi constatada sig­nificativa redução na conta de energia elétrica já que o sistema de bombeamento de água já não era mais exigido como antes.

O óleo de fritura jogado na pia obstrui o encanamento do condomínio e as redes da Ca­esb, além de contaminar os rios, lagos, impermeabilizar o solo, dentre outros malefícios. A co­leta e destinação adequadas po­dem gerar uma receita extra aos condomínios ou cooperativas de colaboradores, proporcionando a todos, além da proteção am­biental, uma renda extra de na­tureza sustentável e limpa.

Também, grande destaque merece os resíduos sólidos onde papel, metais, vidros, plásticos, pilhas e baterias além do grande potencial de reciclagem e reu­so, influenciam sobremaneira na economia de água e energia elétrica. Senão, vejamos: o Ins­tituto Akatu afirma que, para produzir uma tonelada de papel sulfite, são necessários 540 me­tros cúbicos de água; por outro lado, para produzir uma tone­lada de papel reciclado há uma economia de 50% no consumo da água . Assim, ao reciclarmos o papel estamos diretamente economizando água.

Tais fatos revelam a profun­da interligação em todos os atos de consumo que, a nosso ver, têm conseqüências e compro­metem de maneira definitiva os bens naturais das futuras gera­ções. Assim, a adoção de uma nova postura de consumo será capaz de nos levar a uma nova economia, a uma nova forma de “desoneração condominial” onde o condomínio e seus con­dôminos sejam os beneficiários dos resultados obtidos.

Patrocínio:

Instituto Condomínios Sustentáveis – Icons.

9695-2602

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios